<thead id="pb3hn"><ins id="pb3hn"></ins></thead>
<var id="pb3hn"></var>
<cite id="pb3hn"></cite>
<var id="pb3hn"></var>
<var id="pb3hn"><strike id="pb3hn"><thead id="pb3hn"></thead></strike></var><cite id="pb3hn"><video id="pb3hn"></video></cite>
<cite id="pb3hn"><span id="pb3hn"><menuitem id="pb3hn"></menuitem></span></cite><var id="pb3hn"></var>
<var id="pb3hn"></var><var id="pb3hn"><strike id="pb3hn"></strike></var>
<thead id="pb3hn"><del id="pb3hn"><strike id="pb3hn"></strike></del></thead>
<cite id="pb3hn"><strike id="pb3hn"><thead id="pb3hn"></thead></strike></cite>
<var id="pb3hn"><strike id="pb3hn"></strike></var>

O tratamento infligido a Assange é um teste decisivo para o futuro do jornalismo e da liberdade de expressão

– Mas os media portugueses, assim como as organizações de jornalistas, estão calados como ratos

por Günter Wallraff [*]
entrevistado por Arne Roth

Günter Wallraff. Arne Ruth: Primeiro, diga-nos como e quando decidiu apoiar activamente Julian Assange?

Gunter Wallraff: Foi um artigo do famoso semanário Die Zeit que me fez reagir. Percebi que este não era apenas mais um exemplo de uma série de violações internacionais da justiça. Consegui obter uma centena de assinaturas a favor de um recurso e fizemos publicar o apelo como anúncio de página inteira no jornal mais influente da Alemanha, o Frankfurter Allgemeiner, que é em geral um jornal conservador. Mas obtivemos uma redução do preço do anúncio – pagámos apenas um terço do preço normal. E tínhamos na nossa lista nomes de políticos proeminentes, incluindo um ex-ministro das Finanças, um secretário de Estado e o líder do partido ecologista Os Verdes. Estas três pessoas participaram numa entrevista coletiva quando lançámos o apelo. Também havia figuras culturais proeminentes e jornalistas entre os signatários. Isto permitiu um avanço do movimento em defesa de Julian Assange.

AR: Quando soube de sua iniciativa, contactei-o. Queríamos criar um movimento semelhante na Suécia, criticando fortemente o governo sueco. Em menos de uma semana, o recolhemos 72 assinaturas e mais de 3 000 pessoas assinaram o apelo no nosso site. Mas não obtivemos absolutamente nenhuma reação ao nosso pedido. O governo permaneceu em silêncio e os media suecos optaram também pelo silêncio, tanto em relação ao apelo quanto ao silêncio do governo.

GW: Antes de nossa iniciativa, quase não havia na Alemanha cobertura mediática sobre Assange. Quando era mencionado, isso consistia em comentários condescendentes e em questionamentos sobre as suas motivações. Ele estava destinado a ser silenciado até a morte. Porém, quando apresentámos os factos do caso, as opiniões mudaram. Conseguimos mudar a opinião pública. Do meu ponto de vista, a Suécia ainda está presa à situação em que estávamos na Alemanha no início deste ano. O que está a acontecer é como uma vingança pessoal das forças judiciais suecas. Assange tornou-se um bode expiatório.

É incompreensível que tal declínio possa ocorrer numa democracia como a da Suécia. Quando, após as minhas divulgações, fui ameaçado pelo sistema de justiça alemão, sempre pude contar com o apoio da Suécia. A sociedade sueca era um modelo de democracia. A Suécia defendeu princípios internacionais de justiça. E não era apenas na teoria. Teve um primeiro-ministro que ousou falar a verdade sobre a Guerra do Vietname. A posição de Olof Palme chamou a atenção do mundo. Ele encarnava os princípios da justiça global. Tudo isso, creio, foi revertido, tanto na teoria quanto na prática.

O relator das Nações Unidas sobre tortura, Professor Nils Melzer, examinou documentos legais relacionados com Assange nos arquivos suecos. Ele é fluente em sueco. A sua conclusão é que as autoridades suecas lançaram uma acusação de estupro sem base legal. Seria de esperar que uma acusação tão explosiva chamasse a atenção na Suécia. Mas o governo sueco ignorou-o e os media suecos não reagiram tanto às conclusões de Melzer como à decisão do governo sueco de as ignorar. Para mim, este comportamento é indefensável. O professor Melzer é uma testemunha chave de toda a injustiça sistemática infligida a Assange. Quando o visitou na prisão em Londres, juntamente com dois psicólogos especializados em tortura, suas críticas permitiram um progresso a nível internacional.

AR: Como avalia as consequências da cultura de silêncio na Suécia?

GW: O tratamento dado a Assange pode ser visto como um teste decisivo para o futuro do jornalismo e da liberdade de expressão. É uma perspectiva assustadora. O professor Nils Melzer qualifica o actual tratamento de Assange na prisão de Belmarsh como "uma forma deliberada de tortura psicológica". Os presos comuns, incluindo os condenados por assassinato, podem receber filhos e membros de suas famílias. Podem ter conversas confidenciais com seus advogados. Tudo isto é negado a Assange. Deliberadamente criam dificuldades para a sua existência diária. Querem deixá-lo desesperado por uma forma consciente de desorientação. A intensidade das violações aumenta constantemente. Assange está impedido de participar no seu julgamento em condições normais. No tribunal, é colocado atrás de uma parede de vidro, quase como um animal a ser observado, separado das pessoas. Fica isolado 23 horas por dia. Ele nem consegue abraçar os seus próprios filhos. Foi-lhe negado qualquer contacto com os seus advogados durante seis meses. Tudo foi feito para privá-lo da sua dignidade e despedaçá-lo como ser humano.

Ele merece ser chamado de mártir. Mas um mártir não precisa ser um santo. Assange teve problemas na sua vida emocional, mas foi capaz de superar as dificuldades e apresentar-se como uma pessoa saudável. Merece todo o nosso apoio. Mas o nosso apoio também deve ser politicamente orientado. Não devemos fechar os olhos à responsabilidade política daqueles que o acusaram de transgressão. Se ele for extraditado para os Estados Unidos, todos os valores democráticos serão também extraditados. As consequências afetar-nos-iam, não importa onde vivamos. A erosão internacional dos princípios de justiça está a aumentar. Se for entregue aos Estados Unidos a partir de Londres, isso significaria o colapso de qualquer credibilidade ligada à estrutura judicial britânica. Neste caso, seria de facto a aplicação da pena de morte. O distrito da Virgínia, onde o tribunal dos EUA está localizado, é também o local onde se centram a maioria dos serviços secretos dos EUA. Todos os que lá foram julgados até agora foram condenados de acordo com um plano pré-determinado. A maioria dos membros do júri, senão todos, é escolhida entre uma população de agentes da CIA.

AR: Comparando os vossos próprios métodos de trabalho com os de Assange, vê algumas semelhanças e diferenças?

GW – Eu trabalhei de uma maneira diferente, numa época completamente diferente. Os meus métodos de trabalho também são diferentes. O que eu exibo, devo primeiro experimentar internamente e em mim mesmo. Para Assange, o Wikileaks é uma rede em que se pode penetrar para obter uma visão geral do problema. No meu caso, quando entrei nas estruturas de poder que queria inspecionar, mantive-me nas margens externas. Tive o apoio daqueles que estavam mais envolvidos no sistema. Ajudaram-me a pesquisar os abusos de poder que aconteciam.

Além do meu apoio a Assange, gostaria de expressar o meu profundo respeito por Chelsea Manning. Ambos vivem com o fardo da condenação constante. Manning certamente merece o Prémio Nobel da Paz. Carl von Ossietzky, o jornalista que expôs o rearmamento de Hitler, recebeu o Prémio da Paz em 1935. Foi uma declaração política importante. Não quero comparar os Estados Unidos com a Alemanha dos anos 1930, mas devemos ter em mente que nos EUA existe um "Estado dentro do Estado": os seus serviços secretos, que estendem os seus tentáculos de uma maneira que nenhum de nós pode prever. Acrescente-se a isto o facto de um presidente ainda mais imprevisível, que chama a todas as críticas políticas "notícias falsas". É inevitável que tal estrutura de poder, por si só, recorra a métodos de terror. Isso inclui a manipulação de jornalistas. O objectivo é que a definição de "segurança nacional" de Washington influencie as estruturas de poder de todos os outros Estados.

Carl von Ossietzky formulou um slogan moral que deve abrir os nossos olhos em relação a Julian Assange e Chelsea Manning: "Não podemos depender da consciência do mundo quando nossa própria consciência está adormecida". Assange e Manning foram motivados pelo que fizeram pelas suas consciências. O Wikileaks publicou informações sobre crimes de guerra da pior espécie possível. Como num jogo de computador, vemos pessoas reais a serem massacradas e como os assassinos expressam a sua malícia com gritos contínuos de alegria. Crianças ficam gravemente feridas. Tudo isto é descrito com detalhes. Mas os criminosos de guerra não sofrem consequências pelas suas acções. Não têm responsabilidade pessoal. Precisamos de novos meios de comunicação que informem sistematicamente dos crimes de guerra e devemos criar uma opinião transnacional que garanta que os responsáveis sejam levados à justiça. O caso de Julian Assange não é apenas sobre justiça, culpa ou inocência. Os serviços secretos dos EUA visam exercer um poder mundial. Eles querem ser capazes de controlar todos nós. Devemos criar contra-forças democráticas que não estejam restringidas por percepções nacionais de justiça do tipo alemão ou sueco. Se os princípios democráticos devem ter uma hipótese de sobreviver, deveríamos promover os movimentos plurinacionais. Devemos encontrar aliados, mesmo entre políticos activos. Eu acredito nessa possibilidade.

02/Dezembro/2020

[*] Jornalista investigativo e escritor , alemão.   É o autor de A descoberta de uma conspiração: a acção Spínola , editado em 1976 pela Bertrand (o livro pode ser encontrado em alfarrabistas).

O original encontra-se em www.legrandsoir.info/...


Esta entrevista encontra-se em https://resistir.info/ .
12/Dez/20
欧美ZOOZZOOZ视频,亚洲熟伦熟女专区,波多野结AV在线无码中文,国产精品自拍