<thead id="pb3hn"><ins id="pb3hn"></ins></thead>
<var id="pb3hn"></var>
<cite id="pb3hn"></cite>
<var id="pb3hn"></var>
<var id="pb3hn"><strike id="pb3hn"><thead id="pb3hn"></thead></strike></var><cite id="pb3hn"><video id="pb3hn"></video></cite>
<cite id="pb3hn"><span id="pb3hn"><menuitem id="pb3hn"></menuitem></span></cite><var id="pb3hn"></var>
<var id="pb3hn"></var><var id="pb3hn"><strike id="pb3hn"></strike></var>
<thead id="pb3hn"><del id="pb3hn"><strike id="pb3hn"></strike></del></thead>
<cite id="pb3hn"><strike id="pb3hn"><thead id="pb3hn"></thead></strike></cite>
<var id="pb3hn"><strike id="pb3hn"></strike></var>

Resposta à carta de Piedad Córdoba Ruiz

por Iván Márquez e Jesús Santrich

Iván Márquez e Jesús Santrich. Montanhas da Colômbia, 9 de Dezembro de 2020

Doutora Piedad Córdoba Ruiz
Bogotá

Cordial saudação.

Compartilhamos sua preocupação pelo afundamento do Acordo de Paz no mar profundo mar da perfídia do Estado, sentimento que também impacta a imensa maioria dos nossos compatriotas que, tal como a senhora, também quiseram fazer algo para salvar o mais belo sonho dos colombianos.

Com as recentes revelações do Espectador – diário que pratica um novo jornalismo – o país nacional tem mais razões para retomar, com toda a sua força, a luta pela paz, o mais elevado de todos os direitos; o direito síntese sem o qual não têm vida os demais direitos; porque paz com massacres não é paz, paz sem terra, sem democracia, sem alimento, sem tecto, sem emprego, sem educação, sem um bom salário, não é paz.

Pergunta Piedad Córdoba, "O que é preciso para recompor o maltratado Acordo de Havana do qual os senhores são subscritores no carácter de plenipotenciários? Será factível – indaga – o restabelecimento do acordado em Havana pelos senhores e pelo Estado colombiano? Será possível reparar o dano à paz infligido pelo Estado colombiano e seus funcionários?".

O dano já está consumado, Piedad. Deveria haver sanção para os que destruíram e despedaçaram a paz de um país que a necessitava e continua a necessitar mais que ninguém. Para hoje desenvolver qualquer esforço em favor da solução política do conflito temos que encadear primeiro a traição e a perfídia do Estado e, ao mesmo tempo, levantar um altar consagrado ao respeito do princípio da negociação Pacta Sunt Servanda , porque os acordos são para serem cumpridos. As condições da Jurisdição Especial e as obrigações que estabelece devem ser para todas as partes envolvidas no conflito, não para uma só. Os que determinam a violência a partir da cúpula do Estado actuam como uns covardes mortos de medo frente à verdade. É o caso do ex-presidente Uribe que, tendo sido o cérebro dos falsos positivos e comandante em chefe do paramilitarismo, pensa que pode esconder sua responsabilidade por trás dos estrondos de uma guerra perpétua. Queremos que termine já esse jogo de estender no tempo a impunidade do monstro com manobras desavergonhadas do seu gabinete de advogados, que aspira a que o encerramento do ciclo biológico do seu defendido torne inaplicável, pela idade ou pelo que for, a sanção judicial que merece. Deve gerar conflito moral defender crimes de lesa humanidade e sentir que se actua como advogado do diabo.

Como que por uma intervenção dos céus e graças à actuação de uma imprensa independente, já se identificaram plenamente os personagens e instituições que, em conluio para delinquir, sabotaram a paz da Colômbia. Da esquerda para a direita – como numa fotografia – aparecem o governo dos Estados Unidos representado pelo Departamento da Justiça e ao seu lado o bandido Néstor Humberto Martínez, ex-procurador geral da Nação (o qual sempre ameaçou iniciar uma guerra judicial assim que cessasse a guerra com as armas). Eles encarregaram-se das montagens judiciais para minar a paz.

A seguir, aparecem os poderes públicos. Apesar de as partes haverem admitido que a razão principal do conflito repousava na questão da posse da terra, o executivo resolveu não titular nem dar terra aos camponeses para não desencadear a ira das vacas sagradas do latifúndio. Mudou arbitrariamente o compromisso de substituição de cultivos de uso ilícito pela erradicação forçada. Persegue só o camponês pobre e não incomoda os banqueiros e empresários lavadores de activos provenientes do narcotráfico. Por falta de compromisso o Governo preferiu afundar a reforma política centrada na participação cidadão, na reforma eleitoral, a luta contra a fraude e a compra de votos, as circunscrições eleitorais especiais de paz. Também se fez de desentendido quanto às garantias de segurança física que tinha de conceder aos líderes sociais nos territórios e aos ex-combatentes. Duque terminou falando de "paz com legalidade", um sofisma para apunhalar a JEP pelas costas. E os legisladores encerram a foto. Muitos deles armaram no Congresso a bacanal das feras e, com o pretexto da implementação normativa dos Acordos, alteraram a seu bel-prazer a letra dos mesmos. Nisto teve uma enorme responsabilidade o Tribunal Constitucional (o outro poder) que, de maneira incoerente, depois de sentenciar no sentido de que o acordo não podia ser modificado nos próximos três governos, terminou por autorizar a alguns legisladores sem bom senso a destroçá-lo.

A isso se chama perfídia e traição. Não há direito de se arrebatar desta maneira o direito à paz dos colombianos. Por agora conseguiram que a possibilidade de por fim a 50 anos de conflito interno se nos escorresse como água entre os dedos.

A paz só pode ser assegurada pelo povo, seus dirigentes, o movimento social e político voltado nas ruas e em toda a geografia da pátria. Assiste-nos a certeza de que pode ser alcançada através de uma grande aliança das forças da concórdia, com o propósito abertamente político de se constituir em governo. Só um governo de coligação democrática com todas as lideranças multicolores, apoiado pelo voto popular, poderá estabelecer a paz completa que reclama o país convocando imediatamente ao diálogo as organizações insurgentes e, por outro lado, os agrupamentos sucessores do paramilitarismo. Mas necessitamos unir-nos todos, o movimento social e os partidos (de esquerda, liberal, conservador, os sem partido), os militares que sempre aspiraram a paz para a Colômbia. Todos unidos teremos conformado a potência transformadoras da mudança política e social garante da paz.

Piedad, na realidade nossos amigos de coração não estão tristes porque regressamos à montanha e sim felizes porque continuamos vivos e em liberdade, com uma visão de paz mais precisa, mais completa e humana, resguardada de toda perfídia – e sobretudo abençoada pelo anseio infinito de todo um povo; visão que foi claramente exposta no manifesto das FARC-EP, Segunda Marquetalia, de Agosto de 2019.

Atentamente,
Iván Márquez, Jesús Santrich

Esta carta encontra-se em https://resistir.info/ .

26/Dez/20
欧美ZOOZZOOZ视频,亚洲熟伦熟女专区,波多野结AV在线无码中文,国产精品自拍