<thead id="pb3hn"><ins id="pb3hn"></ins></thead>
<var id="pb3hn"></var>
<cite id="pb3hn"></cite>
<var id="pb3hn"></var>
<var id="pb3hn"><strike id="pb3hn"><thead id="pb3hn"></thead></strike></var><cite id="pb3hn"><video id="pb3hn"></video></cite>
<cite id="pb3hn"><span id="pb3hn"><menuitem id="pb3hn"></menuitem></span></cite><var id="pb3hn"></var>
<var id="pb3hn"></var><var id="pb3hn"><strike id="pb3hn"></strike></var>
<thead id="pb3hn"><del id="pb3hn"><strike id="pb3hn"></strike></del></thead>
<cite id="pb3hn"><strike id="pb3hn"><thead id="pb3hn"></thead></strike></cite>
<var id="pb3hn"><strike id="pb3hn"></strike></var>

Loucura fria

– A tardia e insuficiente ajuda da União Europeia
– O jornalismo áulico do poder viceja em Portugal

por João Ramos de Almeida [*]

A Comissão Europeia demorou a responder à crise, mas, até agora, as suas decisões e o protagonismo de Ursula von der Leyen estão longe de decepcionar. Bruxelas disponibilizará 37 mil milhões para a economia e para a produção de bens da área da Saúde. Vai criar uma reserva estratégica de equipamentos médicos e disponibilizá-los aos Estados em situação de carência, como hoje acontece com Itália e a Espanha. Instou os Estados-membros a proibir a exportação desses bens e equipamentos, tentando evitar negócios escandalosos como a venda por uma empresa italiana de 500 mil kits para testes aos Estados Unidos. Van der Leyen tem apelado aos governos para que flexibilizem os controlos fronteiriços aos transportes de mercadorias ou aos europeus que querem regressar aos seus países — e restringiu o acesso externo à União. E, ponto crucial, o Banco Central Europeu aprovou em duas fatias 870 mil milhões de euros para comprar dívida soberana, garantindo fazer "tudo o que for necessário para ajudar a área do euro a atravessar esta crise".    (Manuel Carvalho, director do Público, 22/3/2020)

O melhor das medidas é o tempo do verbo – o futuro .

Nada foi feito em tempo, nada foi feito até agora. E o que for feito, deve manter a todo o custo as fronteiras abertas, mesmo que a UE seja já a fonte dos contaminados. Ontem, havia cerca de 120 mil infectados na Europa, mais do que em toda a Ásia.

E quanto aos dispositivos criados: recusa-se os eurobonds e promete-se mais dívida soberana para, no futuro – como o FMI já está a fazer com a Itália – se voltar a esticar a trela da troica, com a imposição de medidas neoliberais que já provaram em 2011-2014 que não funcionam, criam desigualdade, não aumentam a produtividade, geram desequilíbrios externos, aprofundam desequilíbrios estruturais, desequilíbrios na distribuição do rendimento, geram mais pobreza, mesmo para quem tenha trabalho.

Não há crise humana que faça a esta gente perder de vista o objectivo do jogo:   manter a fonte do poder – a dívida.

E por isso, não há dúvida que está "longe de decepcionar" porque nunca houve dúvidas ao que vinha. Decepção é este jornalismo do poder.

22/Março/2020

[*] Economista.

O original encontra-se em ladroesdebicicletas.blogspot.com/2020/03/loucura-fria.html


Este artigo encontra-se em https://resistir.info/ .
23/Mar/20
欧美ZOOZZOOZ视频,亚洲熟伦熟女专区,波多野结AV在线无码中文,国产精品自拍