<thead id="pb3hn"><ins id="pb3hn"></ins></thead>
<var id="pb3hn"></var>
<cite id="pb3hn"></cite>
<var id="pb3hn"></var>
<var id="pb3hn"><strike id="pb3hn"><thead id="pb3hn"></thead></strike></var><cite id="pb3hn"><video id="pb3hn"></video></cite>
<cite id="pb3hn"><span id="pb3hn"><menuitem id="pb3hn"></menuitem></span></cite><var id="pb3hn"></var>
<var id="pb3hn"></var><var id="pb3hn"><strike id="pb3hn"></strike></var>
<thead id="pb3hn"><del id="pb3hn"><strike id="pb3hn"></strike></del></thead>
<cite id="pb3hn"><strike id="pb3hn"><thead id="pb3hn"></thead></strike></cite>
<var id="pb3hn"><strike id="pb3hn"></strike></var>

A grande conspiração do "Carbono Zero"

por F. William Engdahl [*]

Os globalistas do Fórum Econômico Mundial de Davos proclamam a necessidade de até 2050 atingir o objectivo de zero emissões de carbono em termos líquidos. Isso, para a maior parte das pessoas, soa como um futuro distante e portanto é amplamente ignorado. Mas as transformações em curso desde a Alemanha até aos Estados Unidos, bem como em incontáveis outras economias, estão a preparar o cenário para a criação do que na década de 1970 era chamado de Nova Ordem Económica Internacional.
Trata-se, na realidade, de planos para um corporativismo totalitário tecnocrático global, que promete enorme desemprego, desindustrialização e colapso económico deliberado. Considerem-se alguns antecedentes.

Klaus Schwab. O Fórum Económico Mundial (WEF) de Klaus Schwab está a promover o seu tema favorito, a Grande Reinicialização (Great Reset) da economia mundial. A chave para tudo isso é entender aquilo que os globalistas querem dizer com Carbono Líquido Zero até 2050.

A UE está liderando a corrida, com um plano ousado para se tornar o primeiro continente "neutro em carbono" do mundo até 2050 e reduzir suas emissões de CO2 em pelo menos 55% até 2030.

Em uma mensagem de Agosto de 2020 no seu blog, o autoproclamado czar global das vacinas, Bill Gates, escreveu acerca da crise climática que se aproxima:

"Por mais terrível que seja esta pandemia, a mudança climática poderia ser pior ... O declínio relativamente pequeno nas emissões deste ano deixa uma coisa clara: Não podemos conseguir emissões zero simplesmente – ou mesmo principalmente – a voar e conduzir menos ".

Com um monopólio virtual dos media convencionais, bem como dos media sociais, o lobby do aquecimento global foi capaz de levar grande parte do mundo a supor que o melhor para a humanidade é eliminar os hidrocarbonetos, incluindo petróleo, gás natural, carvão e até mesmo a electricidade nuclear livre de até 2050, o que esperançosamente poderia evitar um aumento de 1,5 a 2 graus Celsius na temperatura média mundial. Só existe um problema com isso. É que é a cobertura de uma diabólica agenda ulterior.

Origens [da hipótese] do 'aquecimento global'

Muitos já se esqueceram da tese científica original apresentada para justificar uma mudança radical nas nossas fontes de energia. Não era a "alteração climática". O clima da Terra está em constante mudança, correlacionado a mudanças na emissão de erupções solares ou ciclos de manchas solares que afectam o clima da Terra.

Por volta da viragem do milénio, quando o ciclo anterior de aquecimento liderado pelo sol não era mais evidente, Al Gore e outros mudaram a narrativa num prestidigitação linguística de "Aquecimento Global" para "Alterações Climáticas", de Aquecimento Global. Agora, a narrativa do medo se tornou tão absurda que todo evento climático estranho é tratado como "crise climática". Cada furacão ou tempestade de Inverno é reivindicado como prova de que os Deuses do Clima estão a punir a nós, seres humanos pecadores, por emitirmos CO2.

Mas um momento. Toda a razão para a transição para fontes de energia alternativas, como solar ou eólica, e para o abandono as fontes de energia carbónicas, é a alegação deles de que o CO2 é um gás de efeito estufa que de alguma forma sobe para a atmosfera, onde forma uma capa que supostamente aquece a Terra – o Aquecimento Global. As emissões de gases de efeito estufa, de acordo com a Agência de Protecção Ambiental dos EUA, vêm principalmente do CO2. Daí o foco nas tais "pegadas de carbono".

O que quase nunca se diz é que o CO2 não pode ascender na atmosfera a partir do escape de um carro ou de centrais termoeléctricas a carvão ou outras origens feitas pelo homem. O dióxido de carbono não é carbono ou fuligem. É um gás invisível e inodoro essencial para a fotossíntese das plantas e todas as formas de vida na Terra, incluindo nós. O CO2 tem um peso molecular de pouco mais de 44, enquanto o ar (principalmente oxigénio e nitrogénio) tem um peso molecular de apenas 29.

O peso específico do CO2 é cerca de 1,5 vezes maior que a do ar. Isso sugeriria que o CO2 dos gases de escape de veículos ou de centrais eléctricas não ascendem na atmosfera cerca de 12 milhas [19,3 km] ou mais acima da Terra para formar o temido efeito estufa .

Para apreciar a acção criminal que hoje se desdobrar em torno de Gates, Schwab e defensores de uma suposta economia mundial "sustentável", devemos remontar a 1968, quando David Rockefeller e amigos criaram um movimento em torno da ideia de que o consumo humano e o crescimento populacional eram principal problema do mundo. Rockefeller, cuja riqueza era baseada no petróleo, criou o Clube neo-malthusiano de Roma na sua villa em Bellagio, Itália. Seu primeiro projecto foi em 1972 quando financiou um estudo inútil no MIT chamado Limites do crescimento (Limits to Growth).

Um dos principais organizadores da agenda de 'crescimento zero' de Rockefeller no início da década de 1970 foi seu amigo de longa data, um homem do petróleo canadiano chamado Maurice Strong, também membro do Clube de Roma. Em 1971, Strong foi nomeado subsecretário das Nações Unidas e secretário-geral da conferência do Dia da Terra de Estocolmo em junho de 1972. Ele também era um curador da Fundação Rockefeller.

Maurice Strong foi um dos primeiros propagadores da teoria cientificamente infundada de que as emissões antropogénicas com veículos de transporte, centrais a carvão e agricultura causavam um aumento dramático e acelerado da temperatura global que ameaça a civilização, o assim chamado Aquecimento Global. Ele inventou a expressão elástica "desenvolvimento sustentável".

Como presidente da Conferência do Dia da Terra da ONU em Estocolmo, em 1972, Strong promoveu a redução da população e a diminuição dos padrões de vida em todo o mundo para "salvar o meio ambiente". Alguns anos depois, o mesmo Strong declarou :

"Não é a única esperança para o planeta que as civilizações industrializadas entrem em colapso? Não é nossa responsabilidade fazer com que isso aconteça?"

Esta é a agenda hoje conhecida como Grande Reinicialização (Great Reset) ou Agenda 2030 da ONU. Strong prosseguiu com a criação do Painel Intergovernamental da ONU sobre Mudanças Climáticas (IPCC), um órgão político que promove a afirmação não comprovada de que as emissões de CO2 provocadas pelo homem estavam prestes a deitar abaixo o nosso mundo numa catástrofe ecológica irreversível.

O co-fundador do Clube de Roma, Dr. Alexander King, admitiu a fraude essencial de sua agenda ambiental alguns anos depois no seu livro The First Global Revolution . Ele declarou ali:

Em busca de um novo inimigo para nos unir, avançamos com a ideia de que a poluição, a ameaça do aquecimento global, a escassez de água, a fome e assim por diante resolveria o problema ... Todos estes perigos são causados pela intervenção humana e só através mudanças de atitudes e comportamentos podem superar-se. O verdadeiro inimigo, então, é a própria humanidade.

King admitiu que a "ameaça do aquecimento global" era simplesmente uma trama para justificar um ataque à "própria humanidade". Isto agora está a ser implementado como a Grande Reinicialização e a falcatrua de emissões líquidas Zero de Carbono.

O desastre das energias alternativas

Em 2011, actuado a conselho de Joachim Schnellnhuber, do Instituto Potsdam para Investigação de Impacto Climático (PIK), Angela Merkel e o governo alemão impuseram a proibição total da electricidade nuclear até 2022, como parte de uma estratégia governamental de 2001 chamada Energiewende ou Viragem Energética, para confiar na energia solar e eólica e outras "renováveis". O objectivo era tornar a Alemanha a primeira nação industrial a ser "neutra em carbono".

A estratégia foi uma catástrofe económica. Abandonando uma das redes de produção eléctrica mais estáveis e confiáveis do mundo industrial, a Alemanha hoje tornou-se o produtor eléctrico mais caro do mundo. De acordo com a associação alemã da indústria de energia BDEW, o mais tardar até 2023, quando a última central nuclear for fechada, a Alemanha enfrentará défices de electricidade.

Ao mesmo tempo, o carvão, a maior fonte de energia eléctrica, está a ser eliminado para alcançar as tais emissões líquidas zero de carbono. Indústrias tradicionais com uso intensivo de energia, como aço, produção de vidro, produtos químicos básicos, fabricação de papel e cimento, estão a enfrentar custos crescentes e paralisações ou deslocalizações e perda de milhões de empregos qualificados. A ineficiente energia eólica e solar, hoje custa cerca de 7 a 9 vezes mais do que o gás.

A Alemanha tem pouco sol em comparação com os países tropicais, de modo que o vento é visto como a fonte principal de energia verde. Há uma enorme quantidade de betão e alumínio que é necessária para produzir parques solares ou eólicas. Ela exige energia barata – gás, carvão ou nuclear – para produzir. À medida que isso é eliminado, o custo se torna proibitivo, mesmo sem "impostos sobre o carbono" adicionais.

A Alemanha já tem cerca de 30 mil turbinas eólicas, mais do que qualquer outro país da UE. As gigantescas turbinas eólicas têm sérios problemas de ruído ou riscos para saúde para os residentes nas proximidades das enormes estruturas devido à emissão de sons de baixa frequência (infrasound), além de danos causados ao clima e a pássaros. Em 2025, cerca de 25% dos moinhos de vento alemães existentes precisarão ser substituídos e a eliminação de resíduos é um problema colossal. As empresas estão a ser processadas porque os cidadãos percebem o desastre que são. Para atingir as metas até 2030, o Deutsche Bank admitiu recentemente que o estado precisará criar uma " eco-ditadura ".

Ao mesmo tempo, o esforço alemão para acabar com o transporte a gasolina ou gasóleo até 2035 em favor dos veículos eléctricos está em curso para destruir a maior e mais lucrativa indústria da Alemanha, o sector automóvel, e eliminar milhões de empregos. Os veículos movidos a bateria de íon-lítio têm uma "pegada de carbono" total quando os efeitos da mineração de lítio e da produção de todas as peças são incluídos, o que é pior do que os automóveis a gasóleo.

E a quantidade de electricidade adicional necessária para uma Alemanha carbono zero até 2050 seria muito maior do que hoje, pois milhões de carregadores de bateria precisarão de electricidade da rede com energia confiável. Agora a Alemanha e a UE começam a impor novas "taxas de carbono", alegadamente para financiar a transição para o carbono zero. Os impostos apenas tornarão a energia e a potência eléctricas ainda mais caras, assegurando o colapso mais rápido da indústria alemã.

Despovoamento

Segundo os que defendem a agenda Carbono Zero, isto é exactamente o que desejam: a desindustrialização das economias mais avançadas, uma estratégia calculada desde há décadas, como disse Maurice Strong, para provocar o colapso das civilizações industrializadas.

Fazer voltar a presente economia industrial mundial para uma distopia de queima de lenha e moinhos de vento, em que os apagões se tornam a norma, como agora na Califórnia, é uma parte essencial de uma transformação para Grande Reinicialização sob a Agenda 2030: Pacto Global da ONU para a Sustentabilidade (Agenda 2030: UN Global Compact for Sustainability).

O conselheiro climático de Merkel, Joachim Schnellnhuber, em 2015 apresentou a agenda verde radical do Papa Francisco, a encíclica Laudato Si, quando Francisco o nomeou para a Pontifícia Academia de Ciências. E ele aconselhou a UE sobre a sua agenda verde. Numa entrevista de 2015, Schnellnhuber declarou que a "ciência" determinou agora que a capacidade máxima de carga de uma população humana "sustentável" era com cerca de seis mil milhões de pessoas a menos:

"De um modo muito cínico, é um triunfo para a ciência porque finalmente estabilizamos alguma coisa – nomeadamente as estimativas para a capacidade biótica máxima (carrying capacity) do planeta, ou seja, abaixo de mil milhões de pessoas".

Para fazer isso, o mundo industrializado deve ser desmantelado. Christiana Figueres, contribuidora da agenda do Fórum Económico Mundial e ex-secretária executiva da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas, revelou o verdadeiro objectivo da agenda climática da ONU numa entrevista colectiva em Bruxelas em Fevereiro de 2015, onde afirmou: "Esta é a primeira vez na história humana em que nos propomos à tarefa de mudar intencionalmente o modelo de desenvolvimento económico que tem reinado desde a Revolução Industrial".

As observações de Figueres em 2015 são reflectidas hoje pelo presidente francês Macron na "Agenda de Davos" do Fórum Económico Mundial em Janeiro de 2021, onde afirmou que "nas actuais circunstâncias, o modelo capitalista e a economia aberta já não são viáveis". Macron, um ex-banqueiro Rothschild, afirmou que "a única maneira de sair desta epidemia é criar uma economia mais focada em eliminar o fosso entre ricos e pobres". Merkel, Macron, Gates, Schwab e amigos farão isso reduzindo os padrões de vida na Alemanha e na OCDE aos níveis da Etiópia ou do Sudão. Esta é distopia deles do carbono zero. Limitar severamente viagens aéreas, viagens de carro, movimento de pessoas, fechar a indústria "poluente", tudo para reduzir o CO2. É sinistro quão convenientemente a pandemia de coronavírus prepara o cenário para a Grande Reinicialização e a Agenda 2030 da ONU de emissões líquidas Zero de Carbono.

[*] Autor de numerosas obras sobre petróleo e geopolítica .

O original encontra-se em New Eastern Outlook e em
https://www.globalresearch.ca/great-zero-carbon-criminal-conspiracy/5736707


Este artigo encontra-se em https://resistir.info/ .
17/Fev/21
欧美ZOOZZOOZ视频,亚洲熟伦熟女专区,波多野结AV在线无码中文,国产精品自拍