<thead id="pb3hn"><ins id="pb3hn"></ins></thead>
<var id="pb3hn"></var>
<cite id="pb3hn"></cite>
<var id="pb3hn"></var>
<var id="pb3hn"><strike id="pb3hn"><thead id="pb3hn"></thead></strike></var><cite id="pb3hn"><video id="pb3hn"></video></cite>
<cite id="pb3hn"><span id="pb3hn"><menuitem id="pb3hn"></menuitem></span></cite><var id="pb3hn"></var>
<var id="pb3hn"></var><var id="pb3hn"><strike id="pb3hn"></strike></var>
<thead id="pb3hn"><del id="pb3hn"><strike id="pb3hn"></strike></del></thead>
<cite id="pb3hn"><strike id="pb3hn"><thead id="pb3hn"></thead></strike></cite>
<var id="pb3hn"><strike id="pb3hn"></strike></var>

Os satélites estão a mudar de sol

– Intensificação das contradições interimperialistas

por Ángeles Maestro [*]

O objetivo estratégico que presidiu a todos os planos do imperialismo, desde a vitória da Revolução de Outubro até ao afundamento da URSS, em 1991, foi a derrota do comunismo. A finalidade comum de destruir o primeiro Estado proletário tornou possível a luta conjunta contra ele de todas as potências capitalistas que se confrontaram nas duas guerras mundiais. Perante este objetivo superior, as contradições interimperialistas apareciam secundarizadas e a hegemonia de Washington assegurada.

No cenário internacional irromperam recentemente factos aparentemente surpreendentes. Quando, no passado mês de novembro, se celebrava em Paris o centenário do armistício da I Guerra Mundial, Trump, com o objetivo de atacar a França e a Alemanha e de recordar o papel hegemónico dos EUA na Europa, disse que " quando os americanos desembarcaram na Normandia, em 1944, os franceses estavam a aprender a falar alemão ". Mais do que um desejo tão pouco sedutor de conseguir que os países europeus aumentassem a sua participação económica e militar na NATO, essa afirmação deve interpretar-se como mais um exagero na escalada dos confrontos entre os EUA e a UE, que, nessa altura, culminaram com a decisão de esta última criar um exército europeu independente.

São só desafinações de Trump, ou existem, desde há algum tempo, mudanças importantes nas relações interimperialistas?

Há bastante tempo que a Red Roja concentra as suas análises da atual fase do capitalismo precisamente nas contradições interimperialistas entre a UE – e sobretudo da potência hegemónica, a Alemanha – e os Estados Unidos. Esse interesse corresponde à necessidade de conhecer o melhor possível os confrontos que se dão entre as cúpulas do poder, agudizadas em épocas como as atuais de crise geral do capitalismo. Na luta pela conquista do poder político, o fator decisivo que define a correlação de forças é a debilidade do inimigo.

O objetivo estratégico que presidiu a todos os planos do imperialismo, desde a vitória da Revolução de Outubro até ao afundamento da URSS, em 1991, foi a derrota do comunismo. A finalidade comum de destruir o primeiro Estado proletário tornou possível a luta conjunta contra ele de todas as potências capitalistas que se confrontaram nas duas guerras mundiais. Perante este ojetivo superior, as contradições interimperialistas apareciam secundarizadas e a hegemonia de Washington assegurada.

Depois da II Guerra Mundial, o interesse de Washington, como grande potência vencedora e herdeira do imperialismo britânico, concentrava-se em controlar a Europa. Os seus instrumentos para construir uma Europa ocidental a reboque dos interesses do EUA e totalmente dependente dos seus interesses no plano militar foram o Plano Marshall e a NATO.

A meta histórica da Casa Branca, que agora abre brechas, era controlar o continente euroasiático, o " pivô do mundo ". Para isso, havia que impedir o surgimento de uma potência europeia com vontade própria, com suficiente poder económico e militar para ser capaz de se opor aos EUA, que pudesse estabelecer relações com a URSS (ou, atualmente, com a Rússia) de forma soberana e contra os seus interesses. O procedimento foi desenhar de forma reiterada confrontos entre os países do Coração Continental, de forma que nenhum pudesse chegar a ser suficientemente forte para ser um obstáculo para a hegemonia anglo-saxónica.

A confrontação entre as duas grandes potências socialistas, a URSS e a China, o posterior desaparecimento da primeira e a instauração na segunda de parâmetros capitalistas, o estabelecimento de bases da NATO na maior parte dos países europeus (sendo as principais na Alemanha e no Kosovo depois da liquidação da República Federal da Jugoslávia), ou a integração na Aliança Atlântica de boa parte dos países do extinto Pacto de Varsóvia, pareciam assegurar um futuro luminoso aos planos norte-americanos.

E pur si muove [1]

A derrota do movimento comunista e a enorme crise geral que afeta o capitalismo, desde o início da década de 70 do século passado, e cujo penúltimo safanão se iniciou em 2007, está a ter consequências económicas, políticas e sociais que pressupõem mudanças qualitativas nessa ordem mundial estabelecida a partir de 1945.

A leitura desta crise realizada por organizações políticas e sindicais da socialdemocracia (PSOE-IU-PCE, Comissiones Obreras, UGT, e agora o Unidos Podemos) sempre dispostas a prestar ajuda ao capital, foi a contraposição do capitalismo europeu " social e humano " ao norteamericano, " selvagem e brutal ". Este discurso de " regresso ao Estado do bem-estar " prestou enormes favores à burguesia espanhola e à de fora. Agora, essas declarações de lavagem da face ao capitalismo correm por toda a parte e a sua superestrutura política vai abrindo brechas à medida que o descrédito do sistema e a correspondente radicalização de posições ocupam com força crescente o cenário internacional.

Luta pelos mercados e as matérias-primas. Sanções e desdolarização

A poderosa irrupção da indústria chinesa e a ocupação dos principais mercados em praticamente todos os setores conduziu à queda a pique da economia produtiva norte-americana. A resposta da Casa Branca foi a imposição de importantes obstáculos às importações chinesas e ao estabelecimento de novas sanções à Rússia. Ao assédio económico sucedeu-se o cerco militar: ampliação das bases militares dos EUA na Ásia e o acossar da NATO contra a Rússia ao longo de todas as suas fronteiras europeias.

Enquanto se desenhava a derrota dos EUA e da UE (sobretudo a França e a Grã-Bretanha) na Síria, às mãos do Eixo da Resistência (Hezbollah, Síria, Resistência Palestiniana e Irão), apoiado pela Rússia, abria-se caminho para um novo confronto económico interimperialista.

O acordo nuclear com o Irão e o levantamento de sanções em 2015 foi deliberadamente preparado pela Alemanha. Imediatamente depois de ser assinado, Berlim desenvolveu as suas relações comerciais com Teerão, abrindo caminho a outros países da UE. A Casa Branca ficava secundarizada na competição para converter o território do inimigo "xiita" em campo de negócios.

Washington, pressionado pelos seus sócios na região (Israel e Arábia Saudita), e já em franca retirada da Síria e do Iraque, no passado mês de novembro impôs novas sanções contra o Irão e a qualquer empresa ou país que negocie com ele. Uma mal dissimulada tentativa de impedir o aproveitamento comercial por parte dos concorrentes da UE do novo e poderoso mercado iraniano.

O resultado de todo este complexo processo não pode ser mais nefasto para os EUA. Desde a Turquia ao Estado espanhol – para referir os exemplos mais claros na história de Estados intervencionados pelos EUA – as declarações foram rotundas e insólitas. " Não aceitamos imposições do imperialismo dos EUA ", declarou Erdogan, " Isso de estar por mim ou contra mim pertence a outra época e Espanha não vai permitir esse tipo de conceções ", asseverou o lacaio Borrel, que reapareceu repentinamente.

Se os satélites se manifestam assim não é por lhes ter dado um ataque repentino de soberania e independência, mas porque estão a mudar de sol.

Merkel, em nome da UE dirigiu-se ao Irão, contundente: " Mantenham os vossos compromissos que nós manteremos os nossos ".

A ameaça das sanções tem tido como consequência que uma crescente lista de países se declarem insubmissos e decidam realizar as suas transações em moedas diferentes do dólar. As repercussões para a Europa, que começam apenas a manifestar-se, são graves e afetam toda a sua estrutura de dominação.

O imperialismo é uma relação de poder que pode ser exercida sempre que os países subordinados a aceitem. Tudo indica que o coquetel de sanções, juntamente com a desdolarização progressiva, ameaça tornar-se para o império ianque " não um tiro nos pés, mas mais acima ".

O germe do novo exército europeu

Esta escalada de tensão entre os EUA e a UE tende a crescer porque se baseia nos interesses económicos em confronto que, por sua vez, favorecem a aproximação desta última com a Rússia. Os últimos episódios aprofundam a confrontação: o apoio dos EUA ao Brexit, para debilitar a UE, ou a tentativa – condenada ao fracasso – de impedir que se materialize, através do Nord Stream [2] . a compra de gás natural russo pela UE.

Parece estar a terminar o longo período em que as contradições euro-norte-americanas se conciliavam debaixo do chapéu de chuva da NATO.

O estouro da URSS anulou a necessidade de " proteção perante a ameaça comunista " e a crise geral do capitalismo manifesta-se como uma luta feroz pelos mercados e as matérias-primas, com o objetivo de controlar a queda crescente da taxa de lucro.

E, efetivamente, o confronto económico interimperialista terá as suas consequências militares. Merkel declarou em maio que " A época em que podíamos confiar que os EUA nos protegessem acabou-se. A Europa deve tomar o seu destino nas próprias mãos ".

O projeto PESCO (Cooperação Estruturada Permanente em Segurança e Defesa) dotado de um orçamento inicial de 12 000 milhões de euros, inicia a criação de um exército estritamente europeu e uma base de produção de armamento e inovação tecnológica a partir exclusivamente de empresas europeias e explicitamente independente dos EUA.

Luta de classes e relações interimperialistas

A decadência económica relativa dos EUA, que também pode ter consequências para a manutenção da sua descomunal estrutura militar, com cerca de 1000 bases militares no planeta, não supõe que a sua capacidade agressiva diminua. A relativa independência da UE em relação aos EUA e à NATO não se concretizou nem, em caso de concretizar-se, supõe que o imperialismo europeu seja " bom " ou " humano ".

São orientados exatamente pelos mesmos objetivos na luta de morte para concorrer nas melhores condições na selva do capitalismo, erguida sobre a exploração – sem mais limites do que a luta de classes – da classe operária e da natureza.

Por aqui não há nenhuma esperança. O dilema continua a ser: socialismo ou barbárie. A conquista do poder político pela classe operária, única possibilidade de destruir o monstro capitalista que aniquila a humanidade, exige conhecer as suas debilidades e, sobretudo, as suas divisões e as suas discordâncias.

18/Janeiro/2019

Notas da autora
[1] Estes aspetos foram analisados em Maestro, A. (2016) Las contradicciones entre el imperialismo estadounidense y el europeo. Controlar el "pivote mundial" [As contradições entre o imperialismo norte-americano e o europeu. Controlar o "pivô mundial].    www.redroja.net/...
[2] O documento da Red Roja intitulado El mito de la vuelta al estado del Bienestar. Otro capitalismo es imposible [O mito do regresso do Estado do bem-estar. Outro capitalismo é impossível], escrito no início das convulsões da crise (2012), tinha o objetivo de desfazer a enésima tentativa de colocar a "reforma" da UE e o regresso ao "Estado do bem-estar" como objetivo das mobilizações populares contra a colocação do peso brutal das consequências da crise sobre as classes populares. Depois do 15 de março, pretendia-se impor estas palavras de ordem, a partir de uma chamada Cimeira Social, formada pelas Comissiones Obreras, a UGT, o PSOE, a IU e os seus satélites. Desta vez, não alcançaram o objetivo. As Marchas pela Dignidade surgiram um ano depois, colocando no centro do seu programa o Não Pagamento da Dívida e o questionamento do euro e da UE, entre outras coisas.    www.redroja.net/..
[3] A lista de países e empresas que realizam o seu comércio em moedas diferentes do dólar está em crescendo. Destacam-se a compra de armas à Rússia por países como a Índia, o Paquistão, o Qatar ou a Turquia, aliados incondicionais dos EUA durante décadas.
[4] No passado dia 12 de dezembro, a Câmara dos Representantes dos EUA aprovou uma resolução contra a entrada em funcionamento do Nord Stream 2, com a qual ameaça a Rússia de novas sanções e apela à Europa que faça o mesmo. O Nord Stream 2 é um gasoduto de 1.200 km que une a Rússia e a Alemanha através do Mar Báltico; quer dizer, sem passar pela Ucrânia. Além da Gazprom russa, participam nele os grupos energéticos alemães Uniper e Wintershall, a austríaca OMV, a francesa Engie e o gigante anglo-holandês Shell.

Notas do editor
[1] E pur si muove: E, no entanto, [a Terra] move-se – frase atribuída a Galileu, obrigado a renegar pela Inquisição a sua teoria heliocêntrica.
[2] Nord Stream: também conhecido como Gasoduto Russo-Alemão e Gasoduto do Mar Báltico, é um gasoduto submarino para o transporte de gás natural entre Vyborg, na Rússia, e Greifswald, na Alemanha.


[*] Médica, responsável pela Red Roja.

O original encontra-se em redroja.net/...
e a tradução em pelosocialismo.blogs.sapo.pt/os-satelites-estao-a-mudar-de-sol-57459


Este artigo encontra-se em http://resistir.info/ .
19/Jan/19
欧美ZOOZZOOZ视频,亚洲熟伦熟女专区,波多野结AV在线无码中文,国产精品自拍