<thead id="pb3hn"><ins id="pb3hn"></ins></thead>
<var id="pb3hn"></var>
<cite id="pb3hn"></cite>
<var id="pb3hn"></var>
<var id="pb3hn"><strike id="pb3hn"><thead id="pb3hn"></thead></strike></var><cite id="pb3hn"><video id="pb3hn"></video></cite>
<cite id="pb3hn"><span id="pb3hn"><menuitem id="pb3hn"></menuitem></span></cite><var id="pb3hn"></var>
<var id="pb3hn"></var><var id="pb3hn"><strike id="pb3hn"></strike></var>
<thead id="pb3hn"><del id="pb3hn"><strike id="pb3hn"></strike></del></thead>
<cite id="pb3hn"><strike id="pb3hn"><thead id="pb3hn"></thead></strike></cite>
<var id="pb3hn"><strike id="pb3hn"></strike></var>

Guerra social e guerra imperialista

por Rémy Herrera

A França está habituada às greves e às manifestações. Mas neste princípio de primavera, a atmosfera está excepcionalmente pesada, tensa. Os discursos presidenciais e mediáticos afirmando que a ordem está em vias de ser restabelecida são demasiado frequentes para que possamos estar seguros de que nada de grave se prepara. Os descontentamentos subiram de nível nestas últimas semanas. Graças a Macron, principalmente, que se diz à escuta dos protestos e se põe em cena dialogando com aqueles que se dispõem a isso, mas manda espancar todos os que se movem.

Em meados de Abril, ele enviou 2500 militares para fazer evacuar uma centena de activistas radicais da "zona a defender" (ZAD) em Notre-Dame-des-Landes, no Oeste do país. Estes militantes, movimentos ecologistas e autónomos (extrema-esquerda), impediam ali a construção de um aeroporto e ocupavam os lugares transformados em squats a céu aberto, em busca de espaços agrícolas alternativos, colectivos, numa recusa à propriedade individualizada. Na véspera da intervenção, os "zadistas" a enfrentar as forças da ordem eram cinco vezes mais numerosos. No mesmo momento, Macron lançava a tropa de choque do CRS para desalojar os estudantes que ocupavam a Sorbonne e Tolbiac para protestar contra a "reforma educativa". De imediato, foram ocupadas, ou reocupadas, outras universidades como Nanterre – e mesmo Sciences Po, grande escola na qual se diplomou o Presidente da República. Em Lille, foi entre duas alas de polícias que os estudantes tiveram de prestar seus exames.

As manifestações parisienses da jornada de acção interprofissional de 19 de Abril – organizada pela CGT e reunindo 300 mil no país – tiveram direito a canhões de água e granadas lacrimogéneas, quando nada de grave o justificava. Com falta de sustentação popular, é pelo envio da tropa contra as resistências pacifistas que o Presidente pretende demonstrar a sua força. Apoiado pela alta finança, é verdade que ele tem com que se sentir forte. Tão forte que pôde declarar a guerra social. E pode desafiar o povo, em nome de "reformas necessárias" e desprezando o diálogo social. Hoje, é a coluna vertebral do movimento operário que Macron pretende quebrar; a começar pelos ferroviários, na primeira linha da defesa do serviço público e que permitiu uma cristalização das contestações.

Calendário da greve intermitente no SCNF. Tal como Thatcher, no seu tempo, quebrou os mineiros. Entretanto, a 3 de Abril último, o primeiro dos 36 dias de greve intermitente ("grève perlée") no SCNF anunciado nacionalmente pelos sindicatos de ferroviários, a direcção da Eurostar (companhia ferroviária anglo-francesa responsável pelos comboios de alta velocidade entre a França e o Reino Unido, através do túnel sob o Canal da Mancha), tentou deslocar empregados de Leyton (Leste de Londres) para Paris. Através de uma acção conjunta da CGT e do RMT (sindicato dos transportes britânicos), os operários franceses e britânicos organizaram-se e impediram que os patrões quebrassem – ilegalmente – a greve em França recorrendo a empregados britânicos. A demonstração da eficácia da solidariedade internacional entre trabalhadores estava feita.

No momento actual, muito está em jogo. Duas visões da sociedade se afrontam: uma, apresentada como "ultrapassada", é a da solidariedade, da justiça social, da esperança reencontrada pela juventude, de um futuro em comum; a outra, neoliberal, a estratégia das elites, está destinada ao fracasso e lança num impasse a maioria da população. Quanto tempo esta maioria – o mundo do trabalho – recuará frente a esta minoria de privilegiados que a esmaga?

Dia 19, os sectores da química, da electricidade e do gás entraram na batalha. Será uma guerra de desgaste. A questão colocada neste 19 de Abril é a que deve ser feita: como encontrar, nas lutas, as condições da sua convergência? Apesar das divisões sindicais – nas quais as jovens gerações descobrem aquilo que seus pais e avós sabiam desde há muito: que as orlas social-democratas traem os trabalhadores – uma frente de trabalho está em vias de se desenhar. Certamente, no momento, as forças da esquerda política não estão à altura dos desafios. Na generalidade, a recusa de discutir a colocação em causa do euro e do espartilho europeu bloqueia o futuro. Só está desorganização da esquerda política ainda permite aos burgueses adormecerem quase tranquilamente. Atenta, a extrema-direita observa.

E como a França monárquica conquistou a Argélia esmagando suas revoluções de 1830 e 1848, foi precisa uma guerra imperialista para acompanhar a guerra social. Ao nos cantar a canção das "armas químicas", entoada outrora por Bush, Macron foi à guerra, docilmente, atrás de Trump e May, para bombardear a Síria. As duas caras guerreiras do capitalismo...

22/Abril/2018

Este artigo encontra-se em http://resistir.info/ .
22/Abr/18
欧美ZOOZZOOZ视频,亚洲熟伦熟女专区,波多野结AV在线无码中文,国产精品自拍