<thead id="pb3hn"><ins id="pb3hn"></ins></thead>
<var id="pb3hn"></var>
<cite id="pb3hn"></cite>
<var id="pb3hn"></var>
<var id="pb3hn"><strike id="pb3hn"><thead id="pb3hn"></thead></strike></var><cite id="pb3hn"><video id="pb3hn"></video></cite>
<cite id="pb3hn"><span id="pb3hn"><menuitem id="pb3hn"></menuitem></span></cite><var id="pb3hn"></var>
<var id="pb3hn"></var><var id="pb3hn"><strike id="pb3hn"></strike></var>
<thead id="pb3hn"><del id="pb3hn"><strike id="pb3hn"></strike></del></thead>
<cite id="pb3hn"><strike id="pb3hn"><thead id="pb3hn"></thead></strike></cite>
<var id="pb3hn"><strike id="pb3hn"></strike></var>

Trump abre uma caixa de Pandora no Médio Oriente

por M K Bhadrakumar

Não há triunfalismo nos EUA, Grã-Bretanha ou França quanto ao ataque com mísseis à Síria na sexta-feira. O estado de ânimo é antes defensivo. Na verdade, ainda falta evidência sobre os alegados ataques químicos em Douma, os quais foram o álibi para o ataque com mísseis. Não há grandes euforias, nem tão pouco quanto à eficácia em termos militares do ataque com mísseis.

Damasco, ao contrário, está estado de ânimo eufórico. O dia 14 de Abril foi declarado de celebrações. Afinal de contas, as forças sírias sozinhas enfrentaram o assalto ocidental. As informações russas sublinham que o sistema de defesa aéreo sírio foi altamente eficaz. O ministro da Defesa disse em Moscovo, no sábado, que não houve qualquer baixa síria. Moscovo confirma que os sírios derrubaram até 71 mísseis num total de 103 disparados pelos EUA, RU e França. Nem Washington nem Londres e Paris até agora contradisseram a avaliação russa.

O presidente é a voz solitária a cacarejar acerca do ataque de mísseis. Ele tuitou bombasticamente:

Tão orgulhosos dos nossos grandes militares, os quais em breve serão, depois de gastarem dólares totalmente aprovados, os melhores que o nosso país já teve. Não haverá nada, nem ninguém, mesmo próximo!

Mas Trump procurava impressionar frente à audiência interna e evitou fazer quaisquer afirmações específicas acerca do êxito do ataque pelos seus mísseis "inteligentes". Em suma, isto foi um show teatral.

O equilíbrio militar na Síria agora entra em cena. Para o regime sírio, isto é o baptismo de fogo. Só recentemente os sírios derrubaram um jacto israelense. Agora eles atingiram a marca dos 70% na sexta-feira.

Os sírios estão equipados com sistemas de defesa aérea da era soviética, desenvolvidos na década de 1960. E se os russos reforçarem os sistemas? Isto foi exactamente o que o chefe do Directório de Operações Principais do Estado Maior russo, coronel-general Sergei Rudskoi, sugeriu em Moscovo no sábado passado :

"Alguns anos atrás, levando em conta um pedido premente de alguns dos nossos parceiro, abandonámos os fornecimentos dos sistemas de mísseis S-300 à Síria. Considerando os desenvolvimentos recentes, julgamos possível voltar a discutir esta questão, não só em relação à Síria mas também a outros países".

Sem dúvida, será uma mudança decisiva se a Rússia equipar o exército sírio com poder dissuasor para infligir custos incomportáveis a potenciais agressores. O Irão mostrou como uma tal estratégia pode funcionar quando ajudou o Hezbollah no Líbano a adquirir dissuasão contra Israel.

De facto, o jornal Jerusalem Post destacou a observação do general russo. O jornal nota que se Moscovo executar a ameaça, "a superioridade aérea de Israel está em risco de ser desafiada numa das suas arenas mais difíceis... E poderia ser apenas uma questão de tempo até ser morto um piloto israelense". O JP acrescenta:

As defesas aéreas sírias são em grande medida sistemas da era soviética, incluindo SA-2s, SA-5s e SA-6s, bem como mísseis tácticos terra-ar mais refinados como os sistemas SA-17 e SA-22. O sistema mais actualizado que Moscovo forneceu ao regime sírio é o Pantsir S-1 de alcance curto, o qual tem derrubado drones e mísseis que a voarem sobre a Síria.

O S-300 avançado seria um grande reforço para as defesas aéreas sírias e significaria uma ameaça para os jactos israelenses pois o sistema de defesa com mísseis de longo alcance pode rastrear objectos como aviões e mísseis balísticos num raio de 300 quilómetros.

O radar do sistema, o qual pode orientar até 12 mísseis em simultâneo, ajuda a conduzir os mísseis rumo ao alvo. Com dois mísseis por alvo, cada veículo lançador pode enfrentar até seis alvos ao mesmo tempo.

O coronel-general Rudskoi escolheu as suas palavras cuidadosamente ao sugerir que a Rússia também podia fornecer a outros países além da Síria (ex., Venezuela, Coreia do Norte, Líbano, Iraque, etc). A observação tem origem na declaração enormemente significativa do presidente Vladimir Putin no sábado passado quanto ao ataque estado-unidense à Síria, quando disse, entre outras coisas: "A escalada actual em torno da Síria é destrutiva para todo o sistema de relações internacionais. A história consertará as coisas..."

A impetuosidade de Trump para atacar a Síria está em desafio ao sistema internacional e pode abrir uma caixa de Pandora. Ironicamente, Israel, como "estado na linha de frente", fica com os maiores riscos se o entendimento não escrito entre os EUA e a Rússia descarrilar. (Moscovo colaborou com a administração Barack Obama e Israel para desacelerar a oferta dos mísseis S-300 ao Irão.). Igualmente, a Turquia terá de pensar duas vezes antes de se aventurar em novas tomadas de terra na Síria se Damasco recuperar o controle do seu espaço aéreo.

O think tank israelense The Institute for National Security Studies em 2013 fez um documento muito informativo intitulado Syria, Russia, and the S-300: Military and Technical Background. Ler aqui .

15/Abril/2018

O original encontra-se em blogs.rediff.com/mkbhadrakumar/...

Este artigo encontra-se em http://resistir.info/ .
16/Abr/18
欧美ZOOZZOOZ视频,亚洲熟伦熟女专区,波多野结AV在线无码中文,国产精品自拍