<thead id="pb3hn"><ins id="pb3hn"></ins></thead>
<var id="pb3hn"></var>
<cite id="pb3hn"></cite>
<var id="pb3hn"></var>
<var id="pb3hn"><strike id="pb3hn"><thead id="pb3hn"></thead></strike></var><cite id="pb3hn"><video id="pb3hn"></video></cite>
<cite id="pb3hn"><span id="pb3hn"><menuitem id="pb3hn"></menuitem></span></cite><var id="pb3hn"></var>
<var id="pb3hn"></var><var id="pb3hn"><strike id="pb3hn"></strike></var>
<thead id="pb3hn"><del id="pb3hn"><strike id="pb3hn"></strike></del></thead>
<cite id="pb3hn"><strike id="pb3hn"><thead id="pb3hn"></thead></strike></cite>
<var id="pb3hn"><strike id="pb3hn"></strike></var>

"Moscovo aumentou a aposta na Síria"

– Memorando ao presidente Trump

por Veteran Intelligence Professionals for Sanity [*]

Idlib.
Quando forças sírias apoiadas pela Rússia lançam o confronto final contra jihadistas extremistas na província de Idlib, o potencial para uma confrontação EUA-Rússia nunca foi maior, adverte o VIPS neste memorando ao presidente.

MEMORANDO PARA: O Presidente
DE: Veteran Intelligence Professionals for Sanity
ASSUNTO: Moscovo aumentou a aposta na Síria

Sr. Presidente:

Preocupa-nos que possa não ter sido informado adequadamente sobre o aumento de hostilidades no noroeste da Síria, onde as Forças Armadas Sírias com apoio russo lançaram uma campanha completa para recuperar a província de Idlib infestada pela al-Nusra/al-Qaeda/ISIS. Os sírios quase certamente terão êxito, tal como o tiveram no fim de 2016 em Aleppo. Tal como em Aleppo, isso significará carnificina indescritível, a menos que alguém finalmente diga aos insurgentes que a sua causa está perdida.

Esse alguém é você. Os israelenses, sauditas e outros que pretendem que a agitação persista estão a encorajar os insurgentes, assegurando-lhes que você, Sr. Presidente, utilizará forças dos EUA para proteger os insurgentes em Idlib e, talvez, também faça cair o inferno sobre Damasco. Acreditamos que conselheiros seus de alto escalão estão a encorajar os insurgentes a pensar nestes termos e que os seus assessores mais experientes estão a assumir o crédito pela sua recente mudança de política, da retirada das tropas da Síria para a guerra indefinida.

Grande diferença desta vez

Unidades russas armadas com mísseis navais e aéreos estão agora posicionadas em números sem precedentes para combater aqueles que quiserem interferir com forças sírias e russas a tentarem limpar Idlib dos terroristas. Assumimos que você foi informado acerca disto – pelo menos em alguma medida. Ainda mais importante: sabemos que os seus conselheiros tendem a ser perigosamente desdenhosos quanto às capacidades e intenções russas.

Não queremos que seja surpreendido quando os russos começarem a disparar os seus mísseis. A perspectiva de hostilidades russo-estado-unidenses na Síria nunca foi maior. Não estamos seguros de que perceba isso.

A situação é ainda mais volátil porque os líderes do Kremlin não sabem ao certo quem está a mandar em Washington. Esta não é a primeira vez que o presidente Putin se depara com tal incerteza (ver o breve Apêndice abaixo). Esta é, no entanto, a primeira vez que as forças russas se posicionaram em tais números na área, prontas para a batalha. As apostas são muito altas.

Esperamos que John Bolton lhe tenha dado uma descrição precisa de suas conversas acirradas com o seu homólogo russo em Genebra poucas semanas atrás. Na nossa opinião, é uma aposta segura que o Kremlin está incerto sobre se Bolton fala fielmente em seu nome, ou fala AO INVÉS de você.

O melhor meio para si de assegurar o Sr. Putin de que está no controle da política dos EUA em relação à Síria seria procurar uma oportunidade próxima para falar publicamente, explicitando suas intenções. Se está desejoso de uma guerra mais ampla, Bolton colocou-o no caminho certo.

Se deseja arrefecer as coisas, pode considerar aquilo que pode ser chamado de cessar-fogo preventivo. Com isso queremos dizer um compromisso público dos presidentes dos EUA e da Rússia de fortalecer os procedimentos para impedir um confronto aberto entre as forças armadas dos EUA e da Rússia. Acreditamos que, nas circunstâncias actuais, este tipo de passo extraordinário é agora exigido para evitar uma guerra mais ampla.

Pelo Grupo de Direcção do VIPS, assinam:
William Binney, former Technical Director, World Geopolitical & Military Analysis, NSA; co-founder, SIGINT Automation Research Center (ret.)
Marshall Carter-Tripp, Foreign Service Officer (ret.) and Division Director, State Department
Philip Giraldi, CIA Operations Officer (retired)
James George Jatras, former U.S. diplomat and former foreign policy adviser to Senate Republican leadership (Associate VIPS)
Michael S. Kearns , Captain, U.S. Air Force, Intelligence Officer, and former Master SERE Instructor (retired)
John Kiriakou, Former CIA Counterterrorism Officer and Former Senior Investigator, Senate Foreign Relations Committee
Matthew Hoh, former Capt., USMC Iraq; Foreign Service Officer, Afghanistan (associate VIPS)
Edward Loomis , NSA Cryptologic Computer Scientist (ret.)
Linda Lewis, WMD preparedness policy analyst, USDA (ret) (Associate VIPS)
David MacMichael, Senior Estimates Officer, National Intelligence Council (ret.)
Ray McGovern, Army/Infantry Intelligence Officer and CIA Presidential Briefer (retired)
Elizabeth Murray , Deputy National Intelligence Officer for the Near East, National Intelligence Council (retired)
Todd E. Pierce, MAJ, US Army Judge Advocate (ret.)
Coleen Rowley, FBI Special Agent and former Minneapolis Division Legal Counsel (ret.)
Ann Wright, retired U.S. Army reserve colonel and former U.S. diplomat who resigned in 2003 in opposition to the Iraq War

Apêndice:
12/Set/2016: O cessar-fogo limitado entra em vigor; as disposições incluem a separação dos rebeldes "moderados" dos outros. O secretário John Kelly havia previamente afirmado que tinha meios "refinados" para efectuar a separação, mas isto não aconteceu; as disposições também incluíam acesso seguro para socorro de Aleppo.

17/Set 17/2016: Bombas da U.S. Air Force fixaram posições do Exército Sírio matando entre 64 e 84 soldados do exército sírio; cerca de 100 outros feridos – evidência suficiente para convencer os russos de que o Pentágono tentava evadir-se de cooperação significativa com a Rússia.

26/Set/2016: Podemos assumir que o que Lavrov disse ao seu patrão em privado está próximo das suas palavras incaracteristicamente ásperas na NTV russa em 26/Set. (Em observações públicas que raiam a insubordinação, oficiais superiores do Pentágono alguns dias antes haviam mostrado inabitualmente cepticismo aberto quanto a aspectos chave do acordo Kerry-Lavrov – como partilha de inteligência com os russos (uma disposição chave do acordo aprovado tanto por Obama como por Putin). Eis o que Lavrov disse em 26/Set:

"Meu bom amigo John Kerry ... está sob a crítica feroz da máquina militar dos EUA. Apesar do facto de que, como sempre, [eles] deram garantias de que o Comandante em Chefe dos EUA, o Presidente Barack Obama, apoiavam-no nos seus contactos com a Rússia (ele confirmou isso durante sua reunião com o Presidente Vladimir Putin), aparentemente os militares realmente não ouvem o Comandante em Chefe".

Lavrov foi além da mera retórica. Ele também criticou especificamente o Presidente da JCS [Joint Chiefs of Staff, do Departamento da Defesa] Joseph Dunford por dizer ao Congresso que se opunha à partilha de inteligência com a Rússia, "após os acordos concluídos sob ordens directas do Presidente russo Vladimir Putin e do Presidente dos EUA Barack Obama estipularem que eles partilhariam inteligência. ... É difícil trabalhar com tais parceiros. ..."

27/Out/2016: Putin fala no Clube Valdai de Discussão Internacional . Ali em Valdai o Presidente Putin falou do estado "febril" das relações internacionais e lamentou: "Meus acordos pessoais com o Presidente dos Estados Unidos não produziram resultados". Ele queixou-se acerca de "pessoas em Washington prontas para fazer todo o possível para impedir que estes acordos sejam implementados na prática" e, referindo-se à Síria, condenou a falta de uma "frente comum contra o terrorismo após tão extensas negociações, enormes esforços e compromissos difíceis".

09/Setembro/2018

Ver também:
  • Donald Trump to the Rescue of the Same Al Qaeda “Freedom Fighters?Who Attacked America on 9/11?

    [*] O Veteran Intelligence Professionals for Sanity (VIPS) é constituído por antigos responsáveis de inteligência, diplomatas, oficiais militares e equipes do Congresso dos EUA. A organização, fundada em 2002, foi dos primeiros críticos das justificações de Washington para lançar uma guerra contra o Iraque. O VIPS advoga uma política externa e de segurança nacional dos EUA baseada no genuíno interesse nacional ao invés de ameaças inventadas promovidas em grande medida por razões políticas. Um arquivo de memorandos do VIPS está disponível em Consortiumnews.com.


    O original encontra-se em consortiumnews.com/2018/09/09/moscow-has-upped-the-ante-in-syria/

    Este documento encontra-se em http://resistir.info/ .
  • 11/Set/18
    欧美ZOOZZOOZ视频,亚洲熟伦熟女专区,波多野结AV在线无码中文,国产精品自拍