<thead id="pb3hn"><ins id="pb3hn"></ins></thead>
<var id="pb3hn"></var>
<cite id="pb3hn"></cite>
<var id="pb3hn"></var>
<var id="pb3hn"><strike id="pb3hn"><thead id="pb3hn"></thead></strike></var><cite id="pb3hn"><video id="pb3hn"></video></cite>
<cite id="pb3hn"><span id="pb3hn"><menuitem id="pb3hn"></menuitem></span></cite><var id="pb3hn"></var>
<var id="pb3hn"></var><var id="pb3hn"><strike id="pb3hn"></strike></var>
<thead id="pb3hn"><del id="pb3hn"><strike id="pb3hn"></strike></del></thead>
<cite id="pb3hn"><strike id="pb3hn"><thead id="pb3hn"></thead></strike></cite>
<var id="pb3hn"><strike id="pb3hn"></strike></var>

O 11/Set foi o prelúdio. O 6/Janeiro o Santo Graal.

por Pepe Escobar [*]

  Ouço os filhos da cidade e privados de tudo
Abaixam-se, ficam nus
Ficam bonitos mas tu e eu
Temos o reino, temos a chave
Temos o império, agora como então
Não duvidamos, não tomamos rumo
Lucrécia, meu reflexo, dança comigo o fantasma


Sisters of Mercy, Lucretia my Reflection

O 11/Set foi o prelúdio. O 6/Janeiro o Santo Graal.

O 11/Set abriu as portas à Guerra Global ao Terror (GWOT), mais tarde suavizada pela Equipe Obama para o status de Operações de Contingência Além-Mar mesmo quando esta era suavemente expandida para o bombardeamento, aberto ou encoberto, de sete nações.

O 11/Set abriu os portões para o Patriot Act, cujo núcleo já estava escrito desde 1994 por um Joe Biden.

O 6/Jan abre o portão para a Guerra ao Terror Interno e ao Patriot Act do Inferno, 2.0, com esteróides ( aqui está o rascunho de 2019 ), as 20 mil páginas totais que brotam casualmente do mar tal como Vénus, no dia seguinte, prontas para se estenderem de imediato.

E como companheiro inevitável do Patriot Act 2.0, haverá guerra além-mar, a retornar em plena força, sem obstáculos, do antigo analista da CIA Ray McGovern inolvidavelmente baptizado como complexo MICIMATT (Militar-Industrial-Congressional-Intelligence-Media-Academia-Think Tank).

E quando o MICIMATT iniciar a guerra seguinte, todo protesto individual será estigmatizado como terrorismo interno.

Capitólio, em Washington, 06/Jan/21.

O falso golpe

Seja o que for que tenha realmente acontecido em 6/Jan no Valhalla militarizado de uma superpotência que desde o início do milénio gastou incontáveis milhões de milhões de dólares em segurança, o elaborado circo psy op/photo-op (operação psicológica/foto oportunidade) – completo com um estrategicamente fotogénico actor MAGA Viking – nunca poderia ter acontecido se não fosse permitido que tal acontecesse. O debate vai enfurecer-se até ao Reino do Porvir se a invasão foi orgânica – uma iniciativa de algumas centenas entre pelo menos 10 mil manifestantes pacíficos em torno do Capitólio – ou mais precisamente, um manual de revolução colorida de falsa bandeira instigado por um infiltrado, Quinta Coluna profissional de agentes provocadores. O que importa é o resultado final: o produto fabricado – "Trump insurrection" – para todos os efeitos práticos enterrou a apresentação, já em curso, das provas da fraude eleitoral apenas ao Capitólio e reduziu o enorme comício antecedente com meio milhão de pessoas a "terrorismo interno". Que certamente não foi um "golpe". O principal estratega militar Edward Luttwak, agora a aconselhar o Pentágono sobre a guerra cibernética, tweetou: "ninguém faz um golpe de estado durante o dia". Aquilo foi só "um espectáculo, pessoas a exprimirem emoções", na verdade um golpe falso que não envolveu incêndio deliberado ou saqueio generalizado, e relativamente pouca violência (compare-se com o Maidan de 2014): falem acerca de "insurrectos" a caminharem dentro do Capitólio com respeito pelas cordas de veludo.

Uma semana antes do 1/6, um dissidente mas ainda muito ligado a operações de inteligência do Deep State apresentou esta visão fria e desapaixonada do Grande Quadro:

"Tel Aviv traiu Trump mediante um novo acordo com Biden e, por isso, atiraram-no aos cães. Sheldon Adelson e a Máfia não têm dificuldade em passar para o lado do vencedor custe o que custar. Pence e McConnell também traíram Trump. Foi como se Trump tivesse caminhado como Júlio César no Senado Romano para ser apunhalado até à morte. Qualquer acordo que Trump faça com o sistema ou com o Estado Profundo não será cumprido e eles estão a falar secretamente em acabar com ele para sempre. Trump tem a carta de trunfo. A lei marcial. Tribunais Militares. A Lei da Insurreição. A questão é se ele a vai usar. A guerra civil está a vir independentemente do que lhe aconteça, mais cedo ou mais tarde".

Se a guerra civil está para vir dependerá do grau de estoicismo prevalecente entre as multidões de Deploráveis.

Alastair Crooke delineou brilhantemente as três principais questões que moldam a "Epifania" da América Vermelha [NT] :   eleições roubadas; confinamento como estratégia premeditada para a destruição de pequenas e médias empresas e a terrível perspectiva de "cancelamento" com a entrada em acção de um "totalitarismo suave" orquestrado pela Big Tech.

Sugestão para um Cadáver a Ler um Teleponto, também conhecido como O Presidente Eleito, e as suas próprias palavras sinistras após o 6/Jan: "Não ousem chamá-los manifestantes. Eles eram uma gentalha desenfreada. Insurrectos. Terroristas internos". Algumas coisas nunca mudam. George W. Bush, imediatamente após o 11/Set: "Ou estão connosco, ou com os terroristas".

Esta é a narrativa hegemónica, gravada em pedra, que está agora a ser implementada com um punho de ferro pelas Big Tech. Primeiro eles vêm à procura do Presidente da República. Depois vêm à sua procura. Qualquer pessoa, em qualquer lugar, que não siga o ditame Tecno-Feudalista da Big Tech, SERÁ cancelado.

Adeus, Miss American Pie

E é por isso que o drama é muito, muito, maior do que um mero Presidente da República desconcertado.

Todas as instituições controladas pela classe dominante – desde as escolas aos media e à forma como os locais de trabalho são regulados – irão perseguir os Deploráveis sem piedade.

O assassino profissional da CIA e mentiroso John Breenan, o conceptualizador chave do Russiagate já totalmente desmascarado, tweetou acerca da necessidade de, na prática, estabelecer campos de reeducação. Os media influentes apelaram à "desinfecção do movimento".

Politicamente, os Deploráveis só têm o Trumpismo. E é por isso que o Trumpismo, como uma possível via para constituir um terceiro partido estabelecido, deve ser esmagado. Por mais que os 0,0001% estejam mais aterrorizados com a possibilidade de secessão ou de revolta armada, precisam de uma acção preventiva urgente contra o que é, por enquanto, um movimento nacionalista de massas, por mais rudimentares que sejam as suas propostas políticas.

O "desconhecido desconhecido", para evocar o notório neo-con Donald Rumsfeld, é se a plebe exasperada acabará por empunhar os forcados – e tornar ingovernável a fazenda feudal dos 0,0001%. E depois há um elemento literalmente fumegante – aquelas 500 milhões de armas que estão por aí.

Os 0,0001% sabem com certeza que Trump afinal de contas nunca foi um agente de mudança revolucionário radical. De um modo incipiente, ele canalizou as esperanças e os medos da América Vermelha. Mas ao invés do prometido palácio reluzente adornado de ouro, o que ele entregou foi uma choça no deserto.

Entretanto, a América Vermelha, intuitivamente, compreendeu que Trump, pelo menos, era um canal útil. Ele revelou a forma como o pântano corrupto realmente se move. Como estas "instituições" são meras marionetas corporativas – e ignoram completamente o homem comum. Como o Judiciário é absolutamente corrupto – quando nem mesmo o Presidente da República pode ser ouvido. Como a Big Pharma e a Big Tech realmente expandiram o MICIMATT (MICIMAPTT?). E acima de tudo, como o paradigma dos dois partidos é uma mentira monstruosa.

Assim, para onde irão os 75 milhões de eleitores marginalizados – ou os 88 milhões de seguidores do Twitter?

Tal como estão as coisas, estamos a mergulhar profundamente numa Dura Guerra de Classe. O topo da Gang da Fraude está com pleno controlo. Os restos da "Democracia" numa gelatinosa Mediacracia. Pela frente, não há nada a não ser expurgo implacável, repressão prolongada, censura, vigilância geral, esmagamento das liberdades civis, uma narrativa única, cancelamento da (in)cultura. Pior ainda: na próxima semana, este aparelho paranóico funde-se com a espantosa maquinaria do Governo dos Estados Unidos.

Assim, seja bem-vindo à Dominância Interna de Pleno Espectro. Alemanha 1933 com esteróides. 1984 revivido: não é de admirar que a hashtag #1984 tenha sido banida pelo Twitter.

Cui bono? O Tecno-Feudalismo, é claro – e os tentáculos entrelaçados da Grande Reinicialização (Great Reset) transumanista. Desafie-o e será cancelado.

Adeus, Miss American Pie. Este é o legado do 6/Jan.

13/Janeiro/2021
[NT] Vermelho é a cor adoptada pelo Partido Republicano dos EUA.

[*] Jornalista.

O original encontra-se em Strategic Culture Foundation
e em thesaker.is/9-11-was-the-prelude-1-6-is-the-holy-grail/


Este artigo encontra-se em https://resistir.info/ .
14/Jan/21
欧美ZOOZZOOZ视频,亚洲熟伦熟女专区,波多野结AV在线无码中文,国产精品自拍