<thead id="pb3hn"><ins id="pb3hn"></ins></thead>
<var id="pb3hn"></var>
<cite id="pb3hn"></cite>
<var id="pb3hn"></var>
<var id="pb3hn"><strike id="pb3hn"><thead id="pb3hn"></thead></strike></var><cite id="pb3hn"><video id="pb3hn"></video></cite>
<cite id="pb3hn"><span id="pb3hn"><menuitem id="pb3hn"></menuitem></span></cite><var id="pb3hn"></var>
<var id="pb3hn"></var><var id="pb3hn"><strike id="pb3hn"></strike></var>
<thead id="pb3hn"><del id="pb3hn"><strike id="pb3hn"></strike></del></thead>
<cite id="pb3hn"><strike id="pb3hn"><thead id="pb3hn"></thead></strike></cite>
<var id="pb3hn"><strike id="pb3hn"></strike></var>

Para Lavrov, Guterres não passaria de um pau-mandado à frente da ONU

por Thierry Meyssan

António Guterres. Ao receber o ministro libanês dos Negócios Estrangeiros e Imigrantes, Gibran Bassil, o seu homólogo russo, Serguei Lavrov, levantou novamente o véu sobre o funcionamento real das Nações Unidas [1] .

Segundo a Carta, a Organização tem por fim regular pacificamente os diferendos entre as nações. No entanto, desde Julho de 2012, o verdadeiro poder já não é detido pelo secretário-geral, mas antes pelo seu "número 2": o Director de Assuntos Políticos, Jeffrey Feltman. Completamente fora de controle, este utiliza os meios da ONU para manter a guerra em todo o "Médio-Oriente Alargado".

Serguei Lavrov revelou que inquieto pela ausência de participação da Unesco, apesar dos seus compromissos, nos restauros de Palmira, acabou por descobrir que esta agência da ONU havia sido proibida por Feltman de cumprir a sua missão.

Acontece que Jeffrey Feltman emitiu, em Outubro de 2017, uma directriz secreta para todas as agências e todos os serviços da Organização proibindo-os de participar fosse em que acção fosse que pudesse ajudar a levantar a economia síria. O Conselho de Segurança não foi informado desta iniciativa.

Antigo embaixador dos EUA em Beirute, depois adjunto de Hillary Clinton para o "Médio-Oriente Alargado", Jeffrey Felman havia já redigido, quando assumiu o cargo em Nova Iorque, em Julho de 2012, um plano de capitulação total e incondicional da República Árabe Síria [2] . Com base nisso, fez frustrar todas as negociações de paz, fossem elas dirigidas por Kofi Annan, ou Lakhdar Brahimi ou Stefan de Mistura.

Lavrov indicou ter questionado o novo secretário-geral da ONU, António Guterres, e ter-lhe pedido para clarificar esta situação.

Esta é a primeira vez que a Rússia se interroga publicamente quanto à real autoridade do secretário-geral da ONU sobre os seus próprios serviços.

Questionado na sede em Nova Iorque pela agência Tass, o porta-voz da Organização, Stephane Dujarric, declarou que, de momento, a ONU se concentrava na busca de uma "solução política" na Síria [3] .

No mesmo encontro com a imprensa em Moscovo, com o seu colega libanês, Serguei Lavrov revelou, igualmente, que os ataques realizados contra as áreas libertadas do Sul da Síria são feitos por combatentes baseados no campo de refugiados de Rukban. Ora, este é protegido pelas forças dos EUA da base ilegal de Al-Tanf (fronteira Jordana) e, portanto, inacessível aos observadores internacionais.

23/Agosto/2018

[1] Sergey Lavrov news conference with Gebran Bassil , by Sergey Lavrov, Voltaire Network , 20 August 2018.
[2] A Alemanha e a ONU contra a Síria, Thierry Meyssan , Tradução Alva, Al-Watan (Síria) , Rede Voltaire , 28 de Janeiro de 2016.
[3] UN says focused on political process in Syria rather than on reconstruction (ONU diz-se focada no processo político na Síria mais do que na reconstrução, ndT), Tass , August 20, 2018.


Ver também:
  • A Rússia denuncia a diarquia na ONU e nos Estados Unidos , 28/Ago/18

    A versão em português encontra-se em www.voltairenet.org/article202581.html . Tradução de Alva.


    Este artigo encontra-se em http://resistir.info/ .
  • 31/Ago/18
    欧美ZOOZZOOZ视频,亚洲熟伦熟女专区,波多野结AV在线无码中文,国产精品自拍