<thead id="pb3hn"><ins id="pb3hn"></ins></thead>
<var id="pb3hn"></var>
<cite id="pb3hn"></cite>
<var id="pb3hn"></var>
<var id="pb3hn"><strike id="pb3hn"><thead id="pb3hn"></thead></strike></var><cite id="pb3hn"><video id="pb3hn"></video></cite>
<cite id="pb3hn"><span id="pb3hn"><menuitem id="pb3hn"></menuitem></span></cite><var id="pb3hn"></var>
<var id="pb3hn"></var><var id="pb3hn"><strike id="pb3hn"></strike></var>
<thead id="pb3hn"><del id="pb3hn"><strike id="pb3hn"></strike></del></thead>
<cite id="pb3hn"><strike id="pb3hn"><thead id="pb3hn"></thead></strike></cite>
<var id="pb3hn"><strike id="pb3hn"></strike></var>

Julian Assange: o que sabemos

por Viktor Dedaj [*]

Sabemos que Julian Assange é um cidadão australiano. A sociedade editora que ele co-fundou (Sunshine Press) tem sede na Islândia e seu sítio WikiLeaks está alojado... em... alguma parte.

Sabemos que Assange não violou nenhuma lei de uma jurisdição de que dependesse. Nenhuma. Nunca. Sabemos de facto que ele jamais foi acusado de violação na Suécia (se tiver impressão em contrário, desenrasque-se com a vossa fonte de informação preferida). Compreendemos portanto que o "inquérito preliminar" interminável de uma procuradora sueca não foi senão uma operação destinada a empurrar a caça Assange para a armadilha estado-unidense.

Sabemos também que Julian Assange nunca esteve sob uma jurisdição dos EUA. E portanto que uma "extradição" de Julian Assange para os Estados Unidos não será uma decisão da justiça na aplicação de não sei qual lei, mas realmente o culminar de uma operação de sequestro pelos Estados Unidos de um jornalista estrangeiro, sequestro decidido e preparado desde longa data e sob a cobertura de um "direito" que foi espezinhado de ponta a ponta neste caso. Sabemos portanto que o que se prepara contra ele não é uma "extradição" mas sim um sequestro, um rapto, uma "entrega forçada".

Sabemos que os Estados Unidos pretendem apesar de tudo aplicar-lhe 175 anos de prisão em nome de uma lei ( Espionage Act, de 1917) e no quadro de um grand jury que proíbe ao acusado mencionar suas motivações e que reduz os direitos da defesa a zero.

Sabemos agora que os seus menores factos e gestos e aqueles dos seus visitantes na embaixada eram espionados e que os seus privilégios cliente/advogado e paciente/médico foram violados e que todos estes dados foram comunicados – assim como todos os seus pertences pessoais – aos Estados Unidos.

Sabemos que Assange actualmente não cumpre nenhuma pena (sim, leu bem [1] ) mas está em "detenção preventiva", que ele é mantido em isolamento numa prisão de alta segurança. Sabemos também que ele está gravemente doente e que não é cuidado. Sabemos portanto que Assange é voluntariamente maltratado pelas autoridades britânicas, um tratamento que o relator especial da ONU – após um exame médico do prisioneiro efectuado por especialistas na matéria – assimila à tortura. Sabemos que a sua vida está literalmente em perigo.

Sabemos que a administração penitenciária não lhe concede senão poucos contactos com os seus advogados, muito poucas visitas, nenhum contacto com os outros detidos e que não pode consultar os elementos de "provas" apresentados contra ele e não tem nenhum meio material para preparar um simulacro de defesa.

Assistimos em audições surrealistas que ele está tão mal a ponto de que mal consegue pronunciar o seu nome e sua data nascimento e em que a juíza Vanessa Baraitser ostenta abertamente seu desprezo por ele e seus advogados e toma – publicamente – suas instruções junto a representantes dos Estados Unidos presentes na sala. Assistimos mesmo um escrivão perguntar ao prisioneiro para confirmar sua nacionalidade... sueca (para dar uma ideia da seriedade com que este caso é conduzido).

Sabemos que Assange é um dos jornalistas mais premiados do século XXI. Sabemos que ele ainda recebeu três títulos de reconhecimento jornalístico enquanto se encontrava na prisão. Sabemos que ele foi nomeado sete vezes ao prémio Nobel da Paz. Sabemos que o responsável da Federação Internacional dos Jornalistas (que diz representar 600 mil profissionais) tomou posição em favor de Assange. Sabemos que os três principais sindicatos de jornalistas franceses redigiram uma carta aberta a Macron a respeito de Assange. Sabemos que várias centenas de jornalistas de todo o mundo assinaram uma petição recente pela sua libertação , etc.

Sabemos também que a Amnesty International deve ter a merda diante dos olhos para não reconhecer um prisioneiro político torturado no coração de Londres. Sabemos desde longa data que Reporters Sans Frontières tapa os olhos, as orelhas e a boca cada vez que os Estados Unidos estão em causa.

Compreendemos que as redes sociais (Facebook e Twitter) exercem uma censura discreta sobre toda comunicação relativa a Assange e/ou WikiLeaks, limitando drasticamente sua difusão.

E sabemos que de tudo isto, você não saberá nada.

Pois sabemos que os "grandes" media decidiram limitar ao máximo a sua cobertura do "Caso Assange" e não deixam passar as informações senão a conta-gotas...

Sabemos por exemplo que um grande diário ("progressista") britânico como The Guardian pode publicar um artigo encomendado contra Assange, inventado em todos os pormenores. Constatámos que os outros "grandes" media não cobram rigor do seu confrade (Vê-se, finalmente, que a solidariedade no seio da profissão existe!)

Sabemos que uma jornalista do Monde é capaz de vos olhar de frente nos olhos e dizer sem escrúpulos uma coisa como "Assange não tem senão o que ele merece porque ele fez Hillary Clinton perder". Argumento fraco por excelência. Num jornalista, horror assegurado. Garantia de cabelos eriçados sobre a cabeça.

Em suma, sabemos agora que os "grandes" media são na grande maioria animados pelo que é preciso correctamente chamar de canalhas.

Sabemos que os media ditos alternativos – incrível mas verdadeiro – que se mobilizam em favor de Assange (e da WikiLeaks) ainda são demasiado raros. Os outros pensam provavelmente poder ignorar ou não serem afectados pelo caso – ou ainda estão (cumulo da ironia) sob a influência da propaganda dos media ditos "de referência".

Mas sabemos também que os anos de calúnias e de mentiras despejadas sobre ele e sua organização começam a desvanecer-se e que o aumento da potência da solidariedade com Julian Assange experimenta desde há alguns meses uma progressão fulgurante. Ainda ontem, os apelos e intervenções em seu favor – jornalistas, médicos, personalidades, responsáveis políticos, ONU – contavam-se às dezenas e hoje contam-se às centenas de milhares. O silêncio mediático ainda não está quebrado, mas começa a rachar. Este combate foi demasiado longe para não dar razões de esperança, então não o abandonemos. Com este combate, 2020 poderia muito bem ser um bom ano para a justiça.

20/Dezembro/2019

[1] Após o seu sequestro da Embaixada do Equador, em 11/Abril/2019, Assange foi imediatamente condenado por ter "violado as condições da sua libertação em residência vigiada" (tornozeleira e comparecimento diário numa esquadra de polícia) – violação cometida quando ele pediu o asilo político ao Equador em Junho de 2012 (decisão contestada por juristas na medida em que pedir o asilo é um direito fundamental – e não é como se não se soubesse onde ele estava). Ele foi condenado à pena máxima por um tal delito (que na verdade não o era) que na Grã-Bretanha geralmente se salta por uma simples multa. Assange era libertável na metade da pena mas a juíza recusou a sua libertação e decidiu a sua detenção preventiva até o processo de "extradição". Tudo numa prisão de alta segurança, sem contactos e sem cuidados.

[*] Co-administrador do sítio Le Grand Soir.

O original encontra-se em www.legrandsoir.info/julian-assange-ce-que-nous-savons.html


Este artigo encontra-se em https://resistir.info/ .
23/Dez/19
欧美ZOOZZOOZ视频,亚洲熟伦熟女专区,波多野结AV在线无码中文,国产精品自拍