<thead id="pb3hn"><ins id="pb3hn"></ins></thead>
<var id="pb3hn"></var>
<cite id="pb3hn"></cite>
<var id="pb3hn"></var>
<var id="pb3hn"><strike id="pb3hn"><thead id="pb3hn"></thead></strike></var><cite id="pb3hn"><video id="pb3hn"></video></cite>
<cite id="pb3hn"><span id="pb3hn"><menuitem id="pb3hn"></menuitem></span></cite><var id="pb3hn"></var>
<var id="pb3hn"></var><var id="pb3hn"><strike id="pb3hn"></strike></var>
<thead id="pb3hn"><del id="pb3hn"><strike id="pb3hn"></strike></del></thead>
<cite id="pb3hn"><strike id="pb3hn"><thead id="pb3hn"></thead></strike></cite>
<var id="pb3hn"><strike id="pb3hn"></strike></var>

A acusação política a Julian Assange: vinho velho em garrafas velhas

por Binoy Kampmark [*]

'. O livro de horas sobre Julian Assange está a ser escrito agora. Mas os escribas estão longe de serem originais. Rituais repetidos de audiências administrativas que não têm outro objectivo senão encenar as coisas antes de descer o machado. Ultimamente, o homem mais habitualmente associado ao projecto de publicação da WikiLeaks não pode dele participar de maneira significativa, principalmente devido à sua saúde frágil e aos perigos representados pelo coronavírus. Já tendo feito um esforço para comparecer pessoalmente à audiência judicial, Assange deparou-se com um judiciário exótico, um espectáculo anormal alimentado pela juíza Vanessa Baraitser versão dura da Judge Judy . Foi-lhe recusado um pedido para escapar da sua caixa de vidro quando ele ainda podia comparecer pessoalmente, pois permitir que descesse e consultasse sua equipe de defesa numa sala do tribunal constituiria um pedido de fiança de algum risco. Esta leitura por parte da responsável judicial foi tão inovadora que intrigou até os promotores.

O que sabemos até à data é que restrições e grilhões no caso de Assange estão na ordem do dia. Processos restritivos que o impedem que procure aconselhamento e lhe permita que uma boa informação são típicos. Acima de tudo, o circo cerimonial expectável na justiça britânica à sombra ameaçadora da intimidação americana tornou-se tenebrosamente extenso. Em 27 de Julho, o circo representou mais um acto, outra performance coxa. Tal como antes, o local foi o Tribunal de Magistrados de Westminster, em Londres.

Durante a audiência, Assange apareceu através de um link de vídeo na prisão de Belmarsh, embora com uma hora de atraso e só por insistência da sua equipe jurídica. A reportagem de The Guardian sobre a sua presença lê-se como um relato de uma competição desportiva. "Vestindo um sweater bege e uma camisa rosa, [a imagem de] Assange na prisão de Belmarsh finalmente apareceu depois de uma tentativa anterior abortada".

Outros ficaram alarmados. Durante sua audiência, observou Martin Silk, da Australian Associated Press, "nem o australiano nem os seus guardas estavam usando máscaras. Não entendo o motivo disso, pois temos que usá-las dentro das lojas". Este ponto também foi destacado pela parceira de Assange, Stella Moris: "Belmarsh não forneceu a Julian uma máscara facial ao longo desta crise do Covid. Os guardas da prisão com quem ele interage também não as usam. Juan Passarelli, apoiante da WikiLeaks, também sentiu que Assange "estava tendo problemas para acompanhar o processo devido à juiza e aos advogados que não falarem suficientemente alto junto aos microfones".

As disposições para observadores assistirem à audiência mostraram-se caracteristicamente desleixadas. A jornalista freelancer Stefania Maurizi não ficou impressionada por estar ao telefone por duas horas, durante as quais "não conseguia entender mais de 20% do que foi discutido". Ela afirmou que "as autoridades do Reino Unido não se importam com repórteres internacionais que cobrem" o processo de Assange. "A ligação ao sistema é, como de costume, um pandemônio!", concordou Passarelli,"

O tópico da discussão durante esta audiência administrativa foi anunciado pelo Departamento de Justiça dos EUA em 24 de Junho, ou seja, a segunda acusação substituta. Aquele documento provou ser um exercício nu de ultrapassam dos limites políticos, não acrescentando mais acusações ao já pesado conjunto de dezoito, dezassete das quais centram-se na Lei de Espionagem dos EUA (US Espionage Act). O âmbito de interesse, no entanto, foi ampliado, principalmente na questão de "hackers" e conferências. Assange é pintado como um diabólico recrutador e sabotador da ordem secreta internacional, um homem do circuito da conferência ansioso por abrir governos clandestinos e com várias razões para isso. "De acordo com o documento de acusação, Assange e outros membros do WikiLeaks recrutaram e acordaram com hackers cometer invasões de computadores em benefício da WikiLeaks."

Edward Fitzgerald , advogado eminente que representa Assange, cumpriu sua parte, sustentando que o documento recentemente revisto pouco fez para inspirar confiança na natureza da justiça esclarecida. "Estamos preocupados com um novo pedido feito nesta fase com as potenciais consequências de descarrilar o processo e com o facto de o procurador-geral dos EUA estar a fazer isso por razões políticas". Fitzgerald recordou ao tribunal que o presidente dos EUA, Donald Trump , "descreveu o caso de defesa como uma trama dos democratas".

Isso deveria ter sido óbvio, mas o tribunal de Baraitser não aceitou. Admitir, a esta altura que Assange é procurado por razões políticas tornaria muito mais difícil extraditá-lo para os Estados Unidos, dado o Tratado de Extradição EUA-Reino Unido . Embora fosse bom Fitzgerald destacar este ponto, ele deveria saber agora que seu público está resolutamente constipado e indiferente a tais agulhadas. Assange tem de receber as audiências mais contundentes e não as mais equilibradas. Em consequência, Baraitser insistiu em que Fitzgerald "reservasse seus comentários" – ela, na verdadeira tradição de tais processos, ainda não havia recebido a acusação americana. Isso fez com que toda a presença de todas as partes no Tribunal de Magistrados de Westminster não apenas sem sentido como também decididamente absurda.

A equipe de defesa de Assange poderia obter algum fraco consolo dos comentários de Baraitser de que 27 de Julho era o prazo final para mais evidências serem apresentadas pela promotoria antes da audiência de extradição de Setembro. Uma excepção foi permitida: relatórios psiquiátricos.

A actual editora-chefe da WikiLeaks Kristinn Hrafnsson teve algumas palavras escolhidas para os promotores da Wikileaks. "Todos os alegados eventos são conhecidos pela promotoria há anos. Não contém novas acusações. O que realmente está acontecendo aqui é que, apesar de seu início ter sido há uma década, a promotoria ainda não conseguiu construir um caso coerente". O desmantelamento das acusações anteriores sugeriu que eles estavam "desrespeitando flagrantemente o processo adequado".

Assange está enfrentando uma das fabricações mais perturbadoras reunidas por qualquer estado que diz ser livre. Se esse estratagema funcionar, o editor se encontrará diante dos procedimentos legais de um país que se orgulha de ter uma emenda a favor liberdade de imprensa, mas está ansioso por excluí-lo dela. O que é ainda mais preocupante é o desejo de expandir o âmbito da culpabilidade, o que incluirá veículos de imprensa e aqueles que divulgam informação classificada.

Vamos para a próxima prestação do circo: uma audiência final no Tribunal de Magistrados de Westminster em 14 de Agosto, a seguir a audiência de extradição de 7 de Setembro, a ser realizada no Tribunal Penal Central que muitos de nós conhecem como Old Bailey. A justiça será cega ou simplesmente cegada?

29/Julho/2020

Nota aos leitores: Encaminhem este artigo às suas listas de email, façam crosspost em blogues, fóruns na Internet, etc.

[*] Foi bolsista da Commonwealth no Selwyn College, Cambridge. Dá aulas na RMIT University, Melbourne. Email: bkampmark@gmail.com

O original encontra-se em www.globalresearch.ca/julian-assange-political-indictment/5719730


Este artigo encontra-se em https://resistir.info/ .
30/Jul/20
欧美ZOOZZOOZ视频,亚洲熟伦熟女专区,波多野结AV在线无码中文,国产精品自拍